sábado, fevereiro 14

Coronel Hugh OWEN (1784-1861)

Major Hugh Owen of the 7th & 18th Hussars, Macphail lith., 1849
O Coronel Hugh Owen nasceu em Denbigh, no País de Gales tendo servido com distinção na Guerra Peninsular, tendo-se alistado, em 1810 , no Exército Português, sob o comando do Marechal-General Beresford.
A usa carreira militar teve início em 1803 nos Voluntários de Shropshire como Capitão.
Serviu na Guerra Peninsular, tendo chegado a Portugal em 1809, como Tenente do 16º Regimento de Dragões Ligeiros, sob o comando de Lord Cambermere. Tomou parte nas acções de Albergaria, Grijó e na perseguição do Exército Framcês, sob o comando do Marechal Soutl, na sua fuga para Salamonde.
Na Batalha de Talavera comandou a guarda avançada constituída por elementos dos 14º, 16º e 23º Regimentos de Dragões Ligeiros e do 1º de Hussardos Alemães, da 2ª Brigada de Cavalaria, sob o comando do Brigadeiro-General Stapleton Cotton. Em 1810 foi promovido a Capitão no Exército Português pelo Marechal Beresford, servindo como Ajudante-de-Campo do General Fane, comandante de uma Brigada agregada à Divisão Hill na retirada para as Linhas de Torres Vedras e nas operações subsequentes.
Na Batalha de Vitoria comandou a carga de cavalaria que pôs termo à resistência Francesa, tendo sido notado por Lord Wellington que lhe arranjou uma colocação do 18º Regimento de Hussardos, sendo subsequentemente promovido a major no Exército Português. Como Major serviu como ajudante-de-campo do General Benjamin d'Urban, comandante da Brigada de Cavalaria do Exército Português. No final da Guerra em 1815, Owen entrou ao serviço do Exército Português com a patente de Tenente-Coronel do Regimento de Dragões de Chaves com a missão de reorganizar e disciplinar o Regimento. Em 1820, acompanhou o Marechal Beresford ao Brasil tendo regressado en Agosto com despachos para a Regência sendo nessa altura transferido para o Regimento de Cavalaria nº 4. Contudo, por essa época, tinha tido lugar a «Revolução» de 1820 e a Junta de Governo Provisional demitiu o Marechal Beresford e todos os oficiais britâncios que serviam no Exército Português. O Coronel Owen abandomou o Exército tnedo porém decidido ficar em Portugal, casando em Dezembro de 1820, com uma rica herdeira do Porto - Maria Rita da Rocha Pinto Velho da Silva, filha de um abastado comerciante de vinho do Porto. Pelos seus serviços durante a Guerra Peninsular recebeu, embora tardiamente (1825), o grau de cavaleiro da Ordem de Torre e Espada, e também a Army Gold Cross e a Military General Service Medal com 4 passadeiras (Talavera, Albuera, Vitoria e Pirinéus) e com 3 Medalhas Espanholas.
Mais tarde durante a Guerra Civil, D. Pedro, duque de Bragança agraciou-o com o grau de comendador da Ordem Militar de Avis. Com efeito, em 1832, no começo da Guerra Civil, vivendo o Coronel Owen no Porto já sob o domínio das tropas Liberais, foi de imediato convidado por D. Pedro para assumir o comando da Cavalaria com a patente de General. O Coronel Owen porém recusou o honroso convite por, na qualidade de súbdito Britânico, dever obediência às instruções do seu Governo, o qual mantinha oficialmente uma posição de não-ingerência. No entanto, durante o cerco do Porto pelas tropas realistas, o Coronel Owen prestou colaboração a Dom Pedro e ao Exército Libertador. Deixou publicadas as interessantes memórias deste período - The Civil War in Portugal: And the Siege of Oporto, London, E. Moxon, 1836; há edição Portuguesa - O Cerco do Porto contado por uma Testemunha - O Coronel Owen, com prefácio e notas de Raul Brandão, Porto, 1915 e, uma reedição, com introdução de F. Pereira Marques, Lisboa, Ed. A Regra do Jogo, 1985. Em 1856 regressou a Inglaterra deixando sua mulher e filhos. Foi pai da famosa Fanny Owen, alvo dos amores de Camilo e celebrizada por Agustina Bessa-Luís no romance homónimo e por Manoel de Oliveira no filme «Francisca», de 1981.
Fontes: Edmund Burke, The Annual Register... for the Year 1860, London, Rivington, 1860, p. 478; «The Bulletin of the Board of Celtic Studies», University of Wales Board of Celtic Studies, 1921, p. 269.
No seu ex-líbris, o Coronel Hugh Owen fez questão de incluir a insígnia de cavaleiro e a divisa da Ordem da Torre e Espada bem como algumas das restantes medalhas que recebeu.
Divisa: Alert and Loyal.
Cat. Franks Collection - F22494
Cf. miniatura de 1808, por Robertson, na National Portrait Gallery
Fontes: Obituário, in The Gentleman's Magazine and Historical Review, London, 1861, p. 339;
Paulo Estrela, Ordens e Condecorações Portuguesas, 1793-1824, Lisboa, Tribuna da História, 2009

Sem comentários: